Defensoria Pública vs Brasil: possibilidades de resistência sob a égide do sistema interamericano de proteção dos direitos humanos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46901/revistadadpu.i18.p217-234

Palavras-chave:

Defensoria Pública, Poder Executivo, Sistema Interamericano de Proteção dos Direitos Humanos, Omissões inconvencionais, Acesso à justiça

Resumo

A Defensoria Pública foi institucionalizada no Brasil em decorrência da internacionalização
dos direitos humanos. No entanto, as expectativas que surgiram com sua criação foram frustradas, notadamente em razão de posturas negligenciadas pelo Poder Executivo. Isso posto, este artigo objetiva analisar a possibilidade de o Estado brasileiro ser processado pelo Sistema Interamericano de Proteção dos Direitos Humanos por violações perpetradas contra a instituição, a exemplo da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 5.296/DF e da Emenda Constitucional nº 95/2016, discutindo-se ainda a respeito dos insuficientes efeitos do artigo 98 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (EC nº 80/2014). Utilizando método indutivo e estudo bibliográfico, documental e jurisprudencial, a pesquisa relaciona, a partir de uma apreciação exploratória e qualitativa, a (in)efetividade de disposições do ordenamento jurídico superior referentes à função essencial à justiça com as promessas feitas pelo Brasil aos organismos interamericanos. São apresentadas formas de resistência na seara internacional para o enfrentamento das omissões inconvencionais, que refletem tanto na atuação dos defensores públicos quanto no exercício dos direitos humanos dos seus atuais e potenciais assistidos. A partir da reinterpretação do princípio da igualdade, conclui-se que a Defensoria Pública pode ser objeto de ação perante o Sistema Interamericano de
Proteção dos Direitos Humanos, sobretudo por sua qualidade de veículo de assistência jurídica integral e gratuita, corolário do direito humano de acesso à justiça.

Biografia do Autor

Mariana Urano, Universidade Federal do Ceará

Mestra em Direito pelo Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal do Ceará (PPGD/UFC). Graduada em Direito pelo Centro Universitário Christus (Unichristus), onde integrou o Programa de Iniciação Científica e exerceu Monitoria de Direito Internacional Público e Privado. Advogada (OAB/CE). Professora. Ex-estagiária da Defensoria Pública da União no Ceará (DPU/CE). E-mail: mariana_urano@hotmail.com.

Referências

ABRAMOVICH, V. Das violações em massa aos padrões estruturais: novos enfoques e clássicas

tensões no Sistema Interamericano de Direitos Humanos. Revista SUR, São Paulo, v. 6, n. 11,

p. 7-39, 2009.

ABRÃO, P. Entrevista. Jornal da Escola Superior da Defensoria Pública da União, Brasília, DF,

n. 8, ano 3, p. 11, 2017. Disponível em: http://www.dpu.def.br/images/esdpu/jornaldpu/

edicao_8/forum-8-edicao.pdf. Acesso em: 10 jan. 2020.

ALVES, C. F.; GONZÁLEZ, P. Defensoria Pública no século XXI: novos horizontes e desafios.

Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2017.

ASSOCIAÇÃO INTERAMERICANA DE DEFENSORIAS PÚBLICAS. Moção de Apoio,

Santiago, 4. set. 2015. Disponível em: http://www.dpu.def.br/images/stories/arquivos/PDF/

Mocao_de_apoio_AIDEF.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019.

BESSA, L. S. O sistema prisional brasileiro e os direitos fundamentais da mulher encarcerada:

propostas de coexistência. 2005. Dissertação (Mestrado em Direito Constitucional) – Universidade de Fortaleza, Fortaleza, 2005.

BRASIL. Ato das disposições constitucionais transitórias. Diário Oficial da União: seção 1,

Brasília, DF, 5 out. 1988, p. 27.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

Brasília, DF: Presidência da República, [2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/

ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 31 ago. 2022.

BRASIL. Defensoria Pública da União. Biênio 2016/2018. Brasília, DF: DPU, 2018. Disponível

em: http://dpu.def.br/images/stories/arquivos/PDF/bienio__online.pdf. Acesso em: 2 jul. 2020.

BRASIL. Defensoria Pública da União. Relatório indicadores e metas de julho de 2017. Brasília, DF:Defensoria Pública da União, 2017. Disponível em: http://dpu.def.br/images/stories/transparencia/Acoes_programas/2017/02/Painel_de_Desempenho_Julho_2017.pdf. Acesso em: 2 set. 2020.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Medida Cautelar na Ação Direta de Inconstitucionalidade

nº 5.296/DF. Relatora: Rosa Weber, 18 de maio de 2016. Diário da Justiça, Brasília, DF,

nov. 2016. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/diarioJustica/verDiarioProcesso.

asp?numDj=240&dataPublicacaoDj=11/11/2016&incidente=4752614&codCapitulo=5&num

Materia=172&codMateria=1. Acesso em: 10 dez. 2019.

BRITO, L. C. S.; FILGUEIRA, Y. G. S.; GONÇALVES, G. V. O. (org.). Diálogos sobre justiça: IV

Diagnóstico da Defensoria Pública no Brasil. Brasília, DF: Secretaria de Reforma do Judiciário, 2015.

BUBLITZ, J. Unidade da Defensoria Pública da União em Canoas pode fechar. GZH, Porto

Alegre, 8 jul. 2018. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/politica/noticia/2018/07/

unidade-da-defensoria-publica-da-uniao-em-canoas-pode-fechar-cjjdi00pf0oxy01qooqz80fvw.

html. Acesso em: 10 jul. 2018.

CAMBI, E.; OLIVEIRA, P. S. Autonomia e independência funcional da Defensoria Pública. In:

SOUSA, J. A. G. (coord.). Defensoria Pública. Salvador: JusPodivm, 2015. Coleção Repercussões

do Novo CPC, v. 5. p. 165-186.

CANOTILHO, J. J. G. Direito constitucional: e teoria da constituição. 7. ed. Coimbra:

Almedina, 2003.

CAPPELLETTI, M.; GARTH, B. Acesso à justiça. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 2002.

CARVALHO; L. A.; CARVALHO, L. J. M. A. Riscos da superlitigação no direito à saúde: custos

sociais e soluções cooperativas. Revista da Defensoria Pública, São Paulo, v. 1, p. 235-253, 2008.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Anexo al comunicado

de prensa emitido al culminar el 159 período de sesiones. Organização dos Estados

Americanos, Washington, DC, 7 dez. 2016. Disponível em: http://www.oas.org/es/cidh/prensa/

Comunicados/2016/183A.asp. Acesso em: 25 jun. 2020.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. El acceso a la justicia como

garantía de los derechos económicos, sociales y culturales: estudio de los estándares fijados

por el sistema interamericano de derechos humanos. Washington, DC: Organização dos Estados Americanos, 2007. Disponível em: http://www.cidh.org/pdf%20files/ACCESO%20A%20

LA%20JUSTICIA%20DESC.pdf. Acesso em: 12 fev. 2020.

COMISSÃO INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Garantías para la

independencia de las y los operadores de justicia: hacia el fortalecimiento del acceso a

la justicia y el estado de derecho en las Américas. Washington, DC: Organização dos Estados

Americanos, 2013. Disponível em: http://www.oas.org/es/cidh/defensores/docs/pdf/Operadoresde-Justicia-2013.pdf. Acesso em: 12 fev. 2020.

CONFERÊNCIA JUDICIAL IBERO-AMERICANA. Regras de Brasília sobre acesso à justiça

das pessoas em condição de vulnerabilidade. Brasília, DF: Projecto Eurosocial Justiça, 2008.

Disponível em: https://www.anadep.org.br/wtksite/100-Regras-de-Brasilia-versao-reduzida.pdf. Acesso em: 2 mar. 2019.

CORREIA, T. R. C. Corte interamericana de direitos humanos: repercussão jurídica das

opiniões consultivas. Curitiba: Juruá, 2008.

CORTE INTERAMERICANA DE DIREITOS HUMANOS. Opinião consultiva 24/17. San

José: CIDH, 2017. Disponível em: http://www.corteidh.or.cr/docs/opiniones/seriea_24_esp.pdf.

Acesso em: 20 jun. 2020.

DPU denuncia Estado brasileiro à Comissão Interamericana de Direitos Humanos. Notícias

DPU, Brasília, DF, 3 maio 2013. Disponível em: http://www.dpu.def.br/noticias-defensoriapublica-da-uniao/10997-defensoria-publica-da-uniao-denuncia-estado-brasileiro-a-comissaointeramericana-de-direitos-humanos. Acesso em: 12 dez. 2019.

FREITAS, R. C. Minorias e fortalecimento de cidadanias na América Latina. In: FREITAS, R. C.;

MORAES, G. O. (coord.). Direito das minorias no novo ciclo de resistências na América

Latina. Curitiba: CRV, 2017. p. 11-29.

GONÇALVES FILHO, E. S. Defensoria Pública e a tutela coletiva de direitos: teoria e prática.

Salvador: JusPodivm, 2016.

INFORMATIVO sobre a atuação internacional da DPU. Brasília, DF: Defensoria Pública da

União, n. 7, abr. 2020. Disponível em: https://www.dpu.def.br/images/internacional/informativo_

aint/info7/Informativo_Internacional_N07_ABRIL_2020.pdf. Acesso em: 20 set. 2020.

JANONE, L. Mais de 86 milhões de brasileiros não têm acesso à defensoria, diz levantamento. CNN Brasil, São Paulo, 28 set. 2021. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/nacional/mais-de-86-

milhoes-de-brasileiros-nao-tem-acesso-a-dpu-diz-levantamento/. Acesso em: 4 nov. 2021.

LIMA, F. R. V. Defensoria pública. Salvador: JusPodivm, 2010.

LIMA, G. M. Controle jurisdicional das omissões inconvencionais. Revista Jurídica da FA7,

Fortaleza, v. 14, n. 1, p. 35-57, 2017.

LIMA, G. M. Efetivação judicial dos direitos econômicos, sociais e culturais. 2005. Dissertação

(Mestrado em Direito) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2005.

LOPES, A. M. D. La internalización de la Convención Americana sobre Derechos Humanos en

Brasil. In: LOPES, A; M. D.; LIMA, M; M. A. B. (org.). A internalização de tratados internacionais

de direitos humanos na América do Sul. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2017.

MACHADO, I. P. C. Defensores públicos interamericanos: novos horizontes de acesso à justiça.

Jornal da Escola Superior da Defensoria Pública da União, Brasília, DF, n. 8, ano 3, p. 1-2,

Disponível em: http://www.dpu.def.br/images/esdpu/jornaldpu/edicao_8/forum-8-edicao.pdf. Acesso em: 10 jan. 2020.

MIRANDA, J. Manual de direito constitucional. Coimbra: Coimbra Editora, 1988. v. 4.

NEVES, M. A constitucionalização simbólica. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

NEVES, M. A força simbólica dos direitos humanos. Rede: Revista Eletrônica de Direito do

Estado, Salvador, n. 4, p. 1-35, 2005.

OLIVEIRA, G. F. A Defensoria Pública e o controle de gastos. Anadef, Brasília, DF, 10 fev.

Disponível em: https://www.anadef.org.br/noticias/ultimas-noticias/item/o-globo-artigo-adefensoria-publica-e-o-controle-de-gastos-de-gabriel-faria-oliveira.html. Acesso em: 20 set. 2020.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Assembleia Geral – Projeto de resolução:

promoção e proteção dos direitos humanos. Washington, DC: OEA, 2018. Disponível em: http://www.dpu.def.br/images/internacional/PDF/AG_Res_DDHH_2018-Port.pdf. Acesso em: 2 jul. 2020.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Assembleia Geral 2887 (XLVI-O/16):

promoción y protección de derechos humanos. Washington, DC: OEA, 2016. Disponível em:

http://www.oas.org/es/sla/ddi/docs/ag-res_2887_xlvi-o-16.pdf. Acesso em: 2 mar. 2020.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Carta da Organização dos Estados

Americanos (A-41). Washington, DC: OEA, 1967. Disponível em: https://www.oas.org/dil/

port/tratados_A-41_Carta_da_Organiza%C3%A7%C3%A3o_dos_Estados_Americanos.htm.

Acesso em: 2 abr. 2020.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Convenção americana sobre direitos

humanos. San José: CIDH, 1969. Disponível em: https://www.cidh.oas.org/basicos/portugues/c.

convencao_americana.htm. Acesso em: 2 abr. 2020.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Declaração americana dos direitos e

deveres do homem. Bogotá: CIDH, 1948. Disponível em: https://www.cidh.oas.org/basicos/

portugues/b.Declaracao_Americana.htm. Acesso em: 2 abr. 2020.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Protocolo de San Salvador. São Salvador:

CIDH, 1988. Disponível em: http://www.cidh.oas.org/basicos/portugues/e.protocolo_de_san_

salvador.htm. Acesso em: 2 abr. 2020.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Regulamento da Comissão

Interamericana de Direitos Humanos. San José: CIDH, 2009. Disponível em: https://www.

cidh.oas.org/Basicos/Portugues/u.Regulamento.CIDH.htm. Acesso em: 12 nov. 2019.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS. Secretaria de Acesso a Direitos e Equidade.

Garantizando “más derechos para más gente” en las Américas: informe de gestión 2016.

Washington, DC: OEA, 2016. Disponível em: http://www.oas.org/es/sadye/publicaciones/

InformeGestion_SADYE2016.pdf. Acesso em: 14 fev. 2020.

OUVERNEY, M. C. O direito à saúde e a Defensoria Pública da União. Revista Defensoria

Pública da União, Brasília, DF, n. 9, p. 131-154, 2016.

PAIVA, C.; HEEMANN, T. A. Jurisprudência internacional de direitos humanos. 2. ed. Belo

Horizonte: CEI, 2017.

PEREZ, F. Brasil tem déficit de seis mil defensores públicos, diz estudo. R7, São Paulo, 15 jun.

Disponível em: https://noticias.r7.com/sao-paulo/brasil-tem-deficit-de-seis-mil-defensorespublicos-diz-estudo-15062018. Acesso em: 15 jul. 2019.

PIOVESAN, F. Sistema interamericano de direitos humanos: impacto transformador, diálogos

jurisdicionais e os desafios da reforma. Revista Direitos Emergentes na Sociedade Global,

Santa Maria, v. 3, n. 1, p. 76-101, 2014.

PORTELA, P. H. G. Direito internacional público e privado: incluindo noções de direitos

humanos e de direito comunitário. 10. ed. Salvador: JusPodivm, 2018.

RAMOS, A. C. Direitos humanos em juízo. São Paulo: Max Limonad, 2001.

RAMOS, A. Processo internacional de direitos humanos. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

RAMOS, A. Responsabilidade internacional por violação de direitos humanos. Rio de Janeiro:

Renovar, 2004.

ROCHA, J. B. Escolha democrática: Defensoria Pública e advocacia têm missões, funções e

membros distintos. In: MAIA, M. C. (org.). Defensoria Pública, democracia e processo.

Florianópolis: Empório do Direito, 2017. p. 141-152.

SADEK, M. T. A. Defensoria Pública: a conquista da cidadania. In: RÉ, A. I. M. R. (org.). Temas

aprofundados da Defensoria Pública. Salvador: JusPodivm, 2013. p. 19-32.

STRECK, L. L. Porque a discricionariedade é um grave problema para Dworkin e não é para

Alexy. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 4, n. 7, p. 343-367, 2013.

TRIBUNAIS reconhecem Defensoria como instrumento da democracia. Conjur, São Paulo,

set. 2020. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2020-set-20/tjs-reconhecem-defensoriainstrumento-democracia. Acesso em: 22 set. 2020.

VIEIRA, O. V. A desigualdade e a subversão do Estado de Direito. Revista SUR, São Paulo, v. 4,

n. 6, p. 29-51, 2007.

Downloads

Publicado

21-12-2022

Como Citar

Urano de Carvalho Caldas, M. (2022). Defensoria Pública vs Brasil: possibilidades de resistência sob a égide do sistema interamericano de proteção dos direitos humanos. Revista Da Defensoria Pública Da União, (18), 217-234. https://doi.org/10.46901/revistadadpu.i18.p217-234