Perspectivas e aportes da Defensoria Pública da União (DPU) para a cooperação internacional

Autores

  • Ilana Szabo Defensoria Pública da União

DOI:

https://doi.org/10.46901/revistadadpu.i18.p127-148

Palavras-chave:

Cooperação Internacional. , Diplomacia. , Defensorias., Acesso à Justiça. , Direitos Humanos.

Resumo

Este artigo objetiva, em primeiro lugar, delinear a atuação internacional da Defensoria Pública da União – DPU, perpassando a base teórica que abriu espaços para a inclusão do acesso à justiça e direitos humanos na agenda internacional. Em segundo lugar, visa apresentar um balanço das iniciativas de cooperação internacional da DPU, avaliando o perfil e objetivos dessas ações. As fontes utilizadas foram documentais e bibliográficas relativas à cooperação internacional no âmbito da Defensoria Pública, ao acesso à justiça e direitos humanos. A análise realizada é qualitativa e as iniciativas de cooperação internacional relatadas foram realizadas pela DPU nos anos de 2017 a 2021. Por fim, apresentam-se considerações finais sobre os benefícios da cooperação e a importância da diplomacia defensorial.  

Referências

ARMIÑO, K. P. Diccionario de Acción Humanitaria y Cooperación al Desarrollo. Bilbao: Hegoa: Icaria, 2000.

AGÊNCIA BRASILEIRA DE COOPERAÇÃO (ABC). Diretrizes para o Desenvolvimento da Cooperação Técnica Internacional Multilateral e Bilateral. 5. ed. Brasília, DF: ABC, 2020. Disponível em: http://www.abc.gov.br/imprensa/manuais. Acesso em: 30 jul. 2021.

AGENDA 2030 para el desarrollo sostinible: jornada de la defensoría. Defensoría del Pueblo, Buenos Aires, 26 set. 2017. Disponível em: https://defensoria.org.ar/noticias/agenda-2030-jornada-de-la-defensoria/. Acesso em: 30 set. 2022.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 5 out. 1988. Seção 1, p. 1. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 23 jul. 2021.

BRASIL. Lei Complementar nº 80, de 12 de janeiro de 1994. Organiza a Defensoria Pública da União, do Distrito Federal e dos Territórios e prescreve normas gerais para sua organização nos Estados, e dá outras providências. Brasília, DF: Câmara dos Deputados. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/leicom/1994/leicomplementar-80-12-janeiro-1994-363035-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 25 jun. 2021.

BRASIL. Resolução nº 154, de 4 de outubro de 2019. Organiza a Defensoria Pública da União, do Distrito Federal e dos Territórios e prescreve normas gerais para sua organização nos Estados, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Judiciário, Brasília, DF, 22 out. 2019b. Seção 1, p. 49. Disponível em: https://www.in.gov.br/web/dou/-/resolucao-n-154-de-4-deoutubro-de-2019-223057139. Acesso em: 25 jun. 2021.

BULL, H. Sociedade Anárquica: Um estudo da ordem política mundial. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 2002.

BUSS, P. M. e LEAL, M. C. Saúde global e diplomacia da saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n. 12, 2009.

CARR, E. H. Vinte Anos de Crise 1919-1939. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 2001.79 Manuel Castells, sociólogo espanhol, em seu livro A Sociedade em Rede, debate o novo cenário das tecnologias da informação e o conhecimento e como estas interferem nas estruturas sociais. À luz dessa teoria, em dissertação de mestrado, Szabó aponta que as redes se caracterizam como uma nova forma de organização

humana na economia, na política, e nos meios de comunicação e aponta o Relatório Mundial da UNESCO que destaca a cooperação internacional como instrumento para esse trabalho em rede. (CASTELLS, M. A Sociedade em Rede, 1999, p. 10).

CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002. v. 1.

CUMBRE JUDICIAL IBEROAMERICANA (CBJ). Reglas de Brasilia sobre Acceso a la Justicia de las Personas en Condición de Vulnerabilidad. Quito: FIIAPP, 2018.

DEL GROSSI, V. C. D. A defesa na cooperação jurídica internacional penal. 2015. Dissertação (Mestrado em Diretos Humanos) – Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO (DPU). Informe Defensorial: Pessoas Migrantes retidas na Fronteira entre Brasil e Peru. Brasília, DF: DPU, 2021.

DIAZ, J. A. S. B. Limites da Cooperação Internacional: O Caso de Moçambique. Hegemonia, Brasília, DF, n. 24, p. 44-64, 2018.

GALÁN, M. G.; OLLERO, H. S. El Ciclo del proyecto de cooperación al desarrollo. 2. ed. Madrid: Fundación CIDEAL, 1999.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Dimensionamento de Gastos das Instituições da Administração Pública Federal na Cooperação Brasileira para o Desenvolvimento Internacional. COBRADI 2017-2018. Brasília, DF: IPEA, 2020.

KRASNER, S. D. (Ed.). International regimes. Ithaca: Cornell University Press, 1983.

MAIA, C. C.; CESAR, S. E. M. A diplomacia congressual Análise comparativa do papel dos Legislativos brasileiro e norte-americano na formulação da política exterior. Revista de informação legislativa, Brasília, DF, v. 41, n. 163, 2004.

MICHELMANN, H. J.; SOLDATOS, P. Federalism and international relations: the role of subnational units. Oxford: Claredon Press, 1991.

MILANI, C. R. S. ABC 30 Anos: história e desafios futuros. Brasília, DF: ABC, 2017.

MORGENTHAU, H. A Política entre as Nações. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 2003.

NAÇÕES UNIDAS. Declaração do Milénio. Nova Iorque: Nações Unidas, 2000.NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Nova Iorque: Nações Unidas, 1948.

OCDE – ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Report of the Chair of the Working Group on the Future Size and Membership of the Organisation to Council. Paris: OCDE, 2017.

OCDE – ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Government at a Glance 2021. Paris:

OCDE, 2021a.OCDE – ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Global Scenarios 2035. Exploring Implications for the Future of Global Collaboration and the OECD. Paris: OCDE, 2021b.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Carta das Nações Unidas, Nova Iorque: ONU, 1945. R. Defensoria Públ. União Brasília, DF n.18 p. 1-254 Jul./Dez. 2022 147 ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Report of the Open Working Group of the General Assembly on Susteinable Development Goals. UN Report A/68/970: 2014. [S. l]: ONU, 2014. Disponível em: http://www.un.org/en/development/desa/news/sustainable/sdgs-post2015.html. Acesso em: 13 set. 2022.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS (OEA). Resoluções da Assembleia Geral, 2000-2020. Buenos Aires: MInisterio Público de la Defensa, [2021] Disponível em: https://www.mpd.gov.ar/index.php/oea-y-la-defensa-publica2/2876-resolucion-ag-res-2714-xlii-o-12. Acesso em: 31 out. 2021.

OPEN GOVERNMENT PARTNERSHIP. Justice Policy Series, Part 1: Access to Justice.

Open Government Partnership Global Report, 2019. [S.l.]: Open Government Partnership, 2019.

RODRIGUES, T. M. S. R. Guerra e política nas relações internacionais. 2008. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

ROSENAU, J. N. Turbulence in world politics: a theory of change and continuity. Princeton: Princeton University Press, 1990.

SATO, E. Cooperação internacional: uma componente essencial das relações internacionais.

RECIIS – R. Eletr. de Com. Inf. Inov. Saúde, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 46-57, 2010.

SZABÓ, I. Comunidades Virtuais de Conhecimento: Informação e Inteligência Coletiva no Ciberespaço. 2008. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Ciência da Informação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008.

TOBAR, S. et al. Diplomacia de la salud: fortalecimiento de las oficinas de relaciones internacionales de los ministerios de salud en las Américas. Rev Panam Salud Publica [S. l], v. 41, e145, 2017.

VENTURA, C. A.; CAVALCANTI, M. F.; PAULA, V. A. F. A abordagem sistêmica da teoria pluralista das relações internacionais: o estudo de caso da União Europeia. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SISTEMAS. 1. 2005, Ribeirão Preto. Anais. FEA-RP/USP.

VIOTTI, P. R. et. al. Theory, images, and international relations: an introduction. In: KAUPPI, M. V. (Org.) International relations theory: realism, pluralism, globalism, and beyond. Boston: Allyn and Bacon, 1999.

Downloads

Publicado

21-12-2022

Como Citar

Szabo, I. (2022). Perspectivas e aportes da Defensoria Pública da União (DPU) para a cooperação internacional. Revista Da Defensoria Pública Da União, (18), 127-148. https://doi.org/10.46901/revistadadpu.i18.p127-148