Construções hostis: o direito da população em situação de rua à cidade

Autores

  • Juan Carlo Goll PUCPR

Palavras-chave:

População em situação de rua, Arquitetura hostil, Projeto de Lei n° 488 de 2021, Direito à cidade.

Resumo

Este trabalho apresenta a conceituação jurídica de “população em situação de rua” e o motivo da necessidade de delimitação desse objeto jurídico para a criação de políticas públicas, a fim de direcionar o Estado na criação de medidas para alterar a realidade social. Ademais, explica-se o que é a técnica de arquitetura hostil e que o intuito de sua utilização é afugentar a população de rua dos grandes centros urbanos com o objetivo de valorizar os imóveis em seu entorno. Por conseguinte, constatou-se que o Estado é cooptado para realizar políticas que beneficiam os setores econômicos mais poderosos e que o Projeto de Lei n° 488 de 2021 tem o objetivo de possibilitar o direito à cidade para toda a sociedade, em especial a população em situação de rua. Ainda, verificou-se que há a possibilidade de se utilizar as técnicas de construção hostil por meio de um exemplo. Por fim, concluiu-se que a lei foi necessária para garantir o referido direito, uma vez que ao se utilizar as técnicas hostis para afastar as pessoas em situação de rua, tolhe-se o direito de todos, bem como se constatou que alguns setores econômicos são os mais interessados, já que se beneficiam disso. A metodologia utilizada para a confecção desta pesquisa foi a indutiva e dedutiva, utilizando-se pesquisa bibliográfica (doutrina, artigos científicos, leis em lato sensu e notícias jornalísticas).

Biografia do Autor

Juan Carlo Goll, PUCPR

Bacharel em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Pós-graduado em Direito Constitucional pela instituição Circulo de Estudos pela Internet - CEI e membro do Ministério Público do Estado do Paraná na área criminal.

Referências

BAUMAN, Z. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Acesso em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 10 mar. 2022.

BRASIL. Decreto nº 7.053, de 23 de dezembro de 2009. Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d7053.htm. Acesso em: 10 mar. 2022.

BRASIL. Projeto de Lei nº 488/2021. Altera a Lei nº 10.257, de 10 de julho de 2001 (Estatuto da Cidade), para vedar o emprego de técnicas de arquitetura hostil em espaços livres de uso público – Lei Padre Júlio Lancelotti. Brasília, DF:

Senado Federal. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=2100245&filename=EMR+2+CDU+%3D%3E+PL+488/2021. Acesso em: 10 mar. 2022.

BRASIL. Síntese da Política para População de Rua. Brasília, DF: Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Disponível em: https://www.gov.br/mdh/pt-br/navegue-por-temas/populacao-em-situacao-de-rua/publicacoes/sumario. Acesso em 12 ago. 2022.

BUENO, E. Brasil: uma história. Cinco séculos de um país em construção. Rio de Janeiro: Leya, 2012.DE FINE LICHT, K. P. Hostile urban architecture: A critical discussion of the seemingly offensive art of keeping people away. Etikk i praksis, Trondheim, v. 11, n. 2, p. 27-44, nov. 2017. Disponível em: https://www.ntnu.no/ojs/index.php/etikk_i_praksis/article/view/2052. Acesso em: 10 mar. 2022.

FARIA, D. R. Sem descanso: arquitetura hostil e controle do espaço público no centro de Curitiba. 2020. Dissertação (Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano) – Setor de Tecnologia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2020.

FILHO, A. R. Cidade cria arquitetura antimendigo. Folha de São Paulo, São Paulo, p. 4, 4 set. 1994. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1994/9/04/cotidiano/2.html. Acesso em: 10 mar. 2022.

GOMES, P. C. da C. A condição urbana: ensaios de geopolítica da cidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

HARVEY, D. O direito à cidade. New Left Review, London, n. 53, p. 73-89, set./out. 2008. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/272071/mod_resource/content/1/david-harvey%20direito%20a%20cidade%20.pdf. Acesso em: 27 out. 2022.

HEEMAN, T. A. Notas iniciais sobre o direito das pessoas em situação de rua: conceitos basilares de um ramo jurídico ainda pouco estudado no Brasil, JOTA, São Paulo, 19 ago. 2021. Disponível em: https://www.jota.info/opiniao-e analise/colunas/direito-dos-grupos-vulneraveis/notas-iniciaissobre-o-direito-das-pessoas-em-situacao-de rua19082021#_ftnref21. Acesso em: 10 mar. 2022.

HUME, D. Tratado da natureza humana: uma tentativa de introduzir o método experimental de raciocínio nos assuntos morais. 2. ed. São Paulo: UNESP, 2009.

LEFEBVRE, H. ESPAÇO E POLÍTICA: O direito à cidade. 2. ed., Belo Horizonte: UFMG, 2016.

LEFEBVRE, H. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001. MOREIRA, L. A constituição como simulacro. 2. ed. São Paulo: Contracorrente, 2017. PASOLD, C. L. Função social do estado contemporâneo. 4. ed. Itajaí: UNIVALI, 2013. PASOLD, C. L. Metodologia da pesquisa jurídica: teoria e prática. 14. ed. Florianópolis: Empório Modara, 2018.

QUINN, B. Anti-homeless spikes are part of a wider phenomenon of ‘hostile architecture’. The Guardian, London, 13 jun. 2014. Disponível em: https://www.theguardian.com/artanddesign/2014/jun/13/anti-homeless-spikes-hostile-architecture?utm_medium=website&utm_source=archdaily.com.br. Acesso em: 10 mar. 2022.

REALE, M. Teoria do Direito e do estado. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2013. REIS, V. Padre Júlio Lancelotti quebra a marretadas pedras instaladas pela Prefeitura sob viadutos de SP. G1 SP, São Paulo, 02 fev. 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2021/02/02/padre-julio-lancelotti-quebra-a-marretadas-pedras-instaladas-sob-viadutospela-prefeitura-de-sp.ghtml. Acesso em: 10 mar. 2022.

SAYURI, J. O que é arquitetura hostil. E quais suas implicações no Brasil. Nexo Jornal, São Paulo, 3 fev. 2021. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2021/02/03/O-que-%C3%A9-arquitetura-hostil.-E-quais-suas-implica%C3%A7%C3%B5es-no-Brasil. Acesso em: 10 mar. 2022.

SILVA, J. A. da. Direito Urbanístico Brasileiro. 6. ed. São Paulo: Malheiros, 2010.

VALIM, R. Estado de exceção: a forma jurídica do neoliberalismo. São Paulo: Contracorrente, 2017.

Downloads

Publicado

21-12-2022

Como Citar

Goll, J. C. (2022). Construções hostis: o direito da população em situação de rua à cidade. Revista Da Defensoria Pública Da União, (18), 55-72. Recuperado de https://revistadadpu.dpu.def.br/article/view/602

Edição

Seção

SEÇÕES TEMÁTICAS ESPECIAIS