A hermenêutica de Kafka: notas a respeito da relação entre intransigência interpretativa e direitos humanos

Autores

  • Guilherme Alcântara Centro Universitário UniFG

DOI:

https://doi.org/10.46901/revistadadpu.i16.p151-172

Palavras-chave:

Direito, Hermenêutica, Intransigência, Literatura, Presunção de Inocência

Resumo

Kafka é amiúde considerado um escritor modernista que desafiaria o pressuposto hermenêutico segundo o qual o mundo é passível de compreensão. Este ensaio, inscrito na intersecção interdisciplinar do Direito & Literatura, desafia essa leitura do universo ficcional kafkiano, argumentando, a partir dos aportes da hermenêutica filosófica e do romance O Processo, que existe uma hermenêutica kafkiana e que ela é uma hermenêutica da intransigência, cujo potencial para os estudos jurídicos ainda não foi completamente explorado, a despeito de seu imensurável valor na luta pelos direitos humanos. A conclusão do texto apresenta a questão da possibilidade de execução da pena antes do trânsito em julgado à luz das lições que a obra de Kafka nos transmite a cada leitura.

Biografia do Autor

Guilherme Alcântara, Centro Universitário UniFG

Mestre em Direito. Centro Universitário UniFG. Professor universitário e advogado

Referências

ADORNO, T. Prismas: crítica cultural e sociedade. São Paulo: Ática, 1998.

______. Posição do Narrador no Romance Contemporâneo. In: ______. Notas de Literatura I.

Tradução: Jorge Almeida. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2003.

ALEXY, R. Teoria da argumentação jurídica: a teoria do discurso racional como teoria da

fundamentação jurídica. São Paulo: Landy, 2005.

ANDERS, G. Kafka: pró e contra; os autos do processo. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

ARNAUD, A-J; FARINAS, M. J. Sistemas jurídicos: elementos para un análisis sociológico.

Madrid: Universidad Carlos III / BOE, 1996. p. 218-226; 270-328.

ATIENZA, M.; RUIZ MANERO, J. Dejemos atrás el positivismo jurídico. Isonomía, [s.l.],

n. 27, p. 7-28, 2007.

ÁVILA, H. Neoconstitucionalismo: entre a “ciência do direito” e o “direito da ciência”. Revista

Eletrônica de Direito do Estado (REDE), Salvador, Instituto Brasileiro de Direito Público,

nº. 17, jan./fev./mar. 2009. Disponível em: <http://www.direitodoestado.com.br/rede.asp>.

Acesso em: 8 dez. 2020.

BARROSO, L. R. Interpretação e aplicação da Constituição: fundamentos de uma dogmática

constitucional transformadora. São Paulo: Saraiva, 2009.

______. Neoconstitucionalismo e constitucionalização do direito (o triunfo tardio do direito

constitucional no Brasil). Revista De Direito Administrativo, [s. l.], v. 240, p. 1-42, abr. 2005.

BELLEY, J.-G. Le droit soluble: contributions québécoises à l’étude de l’internormativité. Paris:

LGDJ, 1996.

BENJAMIN, W. Carta a Gershom Scholem. Tradução: Modesto Carone. Novos Estudos

CEBRAP, n. 35, mar. 1993.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Habeas Corpus nº 84.078/MG. Brasília, DF: Supremo

Tribunal Federal, [2010]. Disponível em: <https://jurisprudencia.stf.jus.br/pages/search/

sjur173893/false>. Acesso em: 19 fev. 2021.

______. Supremo Tribunal Federal. Habeas Corpus nº 126.929/SP. Brasília, DF: Supremo

Tribunal Federal, [2016]. Disponível em: <https://jurisprudencia.stf.jus.br/pages/search/

sjur348283/false>. Acesso em: 19 fev. 2021, p. 6.

______. Supremo Tribunal Federal. Habeas Corpus nº 126.929/SP. Brasília, DF: Supremo

Tribunal Federal, [2016]. Disponível em: <https://jurisprudencia.stf.jus.br/pages/search/

sjur348283/false>. Acesso em: 19 fev. 2021, p. 2.

BORGES, J. L. Obras Completas. São Paulo: Editora Globo, 2001. vol. 4.

BORN, J. Kafka’s Parable “Before the Law”: Reflections towards a Positive Interpretation. Mosaic:

A Journal for the Interdisciplinary Study of Literature, v. 3, n. 4, p. 153-162, 1970.

CARBONIER, J. Derecho flexible. Para una sociología no rigurosa del derecho. Madrid: Tecnos, 1974.

CARONE, M. Lição de Kafka. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

______. O realismo de Franz Kafka. Novos estudos CEBRAP, n. 80, p. 197-203, 2008.

CARPEAUX, O. M. A linguagem de Kafka, O Jornal, Rio de Janeiro, 27 jan. 1944, p. 7.

CERQUEIRA, N. Hermenêutica & Literatura. 1. ed. Salvador: CARA, 2003.

CORNGOLD, S. Kafka and the Ministry of Writing. In: CORNGOLD, S.; GREENBERG, J.;

WAGNER, B. Franz Kafka: the office writings. New Jersey: Princeton University Press, 2009. p. 1-18.

COVER, R. Nomos e narração. Anamorphosis: Revista Internacional de Direito e Literatura,

v. 2, n. 2, p. 187-268, 2016.

DE CHUEIRI, V. K. Shakespeare e o direito. Revista da Faculdade de Direito UFPR, v. 41, n. 0,

p. 59-83, 2004.

DWORKIN, R. A raposa e o porco-espinho: justiça e valor. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014.

______. Uma questão de princípio. Tradução: Luis Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes. 2000.

______. Law as interpretation. Critical Inquiry, v. 9, n. 1, p. 179-200, 1982.

ECO, U. Obra aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. São Paulo: Editora

Perspectiva, 2016.

______. Os limites da interpretação. São Paulo: Editora Perspectiva, 2004.

FISCHER, S. R. História da Leitura. Tradução: Claudia Freire. São Paulo: Editora Unesp, 2006.

GADAMER, H.-G.. Este?tica y hermene?utica. Madrid: Tecnos, 2006.

______. The relevance of the beautiful and other essays. Cambridge: Cambridge University

Press, 1986.

______. Verdade e método: Traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução:

Flávio Paulo Meurer. Nova rev. da trad. por Enio Paulo Giachini e Marcia Sá Cavalcante-Schuback.

São Paulo: Vozes, 2003.

GODOY, A. S. de M. Direito & Literatura: ensaio de síntese teórica. 1 ed. Porto Alegre: Livraria

do Advogado, 2008.

GONZÁLEZ, J. C. Constitutional law en clave de teoría literaria: Una guía de Campo para el

estudio. Dikaiosyne, [s.l.], v. 13, n. 25, 2010.

______. Direito curvo. Porto Alegre: Livraria Do Advogado Editora, 2013. p. 29-30

______. Subsidios para una historia de la cultura literaria del derecho en Brasil: Francisco de Oliveira

e Silva [1897-1989]. Anamorphosis: Revista Internacional de Direito e Literatura, v. 5, n. 2,

p. 613-655, 2019.

GRAY, R. T. et. al. A Franz Kafka Encyclopedia. Santa Barbara: Greenwood Publishing Group, 2005.

HÄBERLE, P. Hermenêutica Constitucional. A Sociedade Aberta dos Intérpretes da

Constituição: contribuição para a Interpretação Pluralista e “Procedimental” da Constituição.

Tradução: Gilmar Ferreira Mendes. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 1997.

KAFKA, F. Aforismos. In: ______. Essencial Franz Kafka. Tradução:Modesto Carone. São Paulo:

Companhia das Letras, 2011.

______. O Processo. Tradução: Modesto Carone. Rio de Janeiro: O Globo, 2003.

______. O Desaparecido ou Amerika. São Paulo: Editora 34, 2003.

KARAM, H. O direito na contramão da literatura: a criação no paradigma contemporâneo.

Revista eletrônica do curso de Direito da UFSM, v. 12, n. 3, p. 1022-1043, 2017.

KELSEN, H. Teoria Pura do Direito. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

LARUE, L. H. Constitutional law as fiction: narrative in the rhetoric of authority. University

Park: Penn State Press, 2010.

LUKÁCS, G. Franz Kafka oder Thomas Mann. Realismo crítico hoje. Brasília: Coordenadora

Editora de Brasília, 1969.

MÜLLER, F. Teoria estruturante do direito. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.

NEVES, M. Entre Hidra e Hércules: princípios e regras constitucionais. São Paulo: Martins

Fontes, 2013.

OLIVEIRA, B. B. C. de. Crítica e interpretação: aproximando Benjamin e Gadamer. Natureza

Humana, São Paulo , v. 10, n. 1, p. 129-146, jun. 2008.

OLIVO, L. C. C. de. O estudo do direito através da literatura. Tubarão: Studium, 2013.

PAIXÃO, C.; MECCARELLI, M. Constituent power and constitution-making process in Brazil:

concepts, themes, problems. Giornale di Storia Costituzionale, Macerata, v. 2, p. 40, 2020.

PEDRA, A. S. O controle da proporcionalidade dos atos legislativos: a hermenêutica

constitucional como instrumento. Belo Horizonte: Del Rey, 2006.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L.. The new rhetoric: a treatise on argumentation.

Tradução: John Wilkinson e Purcell Weaver. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 1969.

p. 190, p. 411-12;

ROSENDORFER, H. Sobre justiça e literatura. In: KOHLER, P.; SCHAEFER, T. O direito pelo

avesso: uma antologia jurídica alternativa. Tradução: Glória Paschoal de Camargo. São Paulo: Ed.

Martins Fontes, 2001. p. 335-345.

SCHWARTZ, G. A Constituição, a Literatura e o Direito. Porto Alegre: Livraria do Advogado,

SILVA, V. A. da. Interpretação constitucional e sincretismo metodológico. In: SILVA, V. A. da.

(Org.) Interpretação Constitucional. 1. ed. São Paulo: Malheiros, 2007. p. 115-144.

STRECK, L. L. Dicionário de Hermenêutica. 50 verbetes fundamentais da Teoria do Direito à

luz da Crítica Hermenêutica do Direito. 2 ed. Belo Horizonte: Letramento, 2020.

______. Hermenêutica jurídica em crise: uma exploração hermenêutica da construção do direito.

Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2018.

______. Jurisdição constitucional e decisão jurídica. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.

TAVARES, A. R. Paradigmas do judicialismo constitucional. São Paulo: Saraiva, 2012.

TEUBNER, G. O Direito diante de sua Lei: sobre a (im)possibilidade de autorreflexão coletiva da

modernidade jurídica. University of Brasília Law Journal (Direito. UnB), v. 1, n. 1, p. 697, 2016.

TRINDADE, A. K.; BERNSTS, L. G. O estudo do “direito e literatura” no Brasil: surgimento,

evolução e expansão. Anamorphosis - Revista Internacional de Direito e Literatura, Porto

Alegre, v. 3, n. 1, p. 225-257, 2017.

______. Kafka e os paradoxos do direito: da ficção à realidade. Revista diálogos do direito, [s.l.],

v. 2, n. 2, p.137-159, 2012.

VESPAZIANI, A. O poder da linguagem e as narrativas processuais. Anamorphosis - Revista

Internacional de Direito e Literatura, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 69-84, 2015.

WEISBERG, R. H. In praise of intransigence: the perils of flexibility. Oxford: Oxford University

Press, 2014.

WHITE, J. B. The legal imagination. Chicago: University of Chicago Press, 1985.

ZAGREBELSKY, G. El derecho dúctil. Ley, derechos, justicia. [s.l.]: Trota S.A.,1995.

Downloads

Publicado

03-12-2021

Como Citar

Alcântara, G. (2021). A hermenêutica de Kafka: notas a respeito da relação entre intransigência interpretativa e direitos humanos. Revista Da Defensoria Pública Da União, (16), 151-172. https://doi.org/10.46901/revistadadpu.i16.p151-172